Batida Salve Todos

Jambre

- Óa, mãe tá dizendo pra senhora tirar o carro dali que tá caindo jambre.

A advertência veio de Paty, 10 anos, filha de Eda, a caseira/empregada/jardineira da casa de Tamandaré (que a gente aluga todo verão).  Paty é desenrolada, tem cabelos crespos e pele cor de jambre, queimada pelo sol.

Que o jambre está caindo do pé e pode manchar o carro, não há duvidas.  O que eu não sei explicar, ao certo, é como jambo, fruto de uma espécie de Jambeiro e pertencente ao gênero Syzygium e à família Mystacea , passou a se chamar jambre, não só por Paty, mas por toda uma parcela da população nordestina.

Como jambo virou jambre tem a mesma porcentagem de mistério do basculante que virou vasculhante, umbigo virou imbigo, vassoura que foi rebatizada de bassoura, fósforo virou fósco, e a madeira do rosarinho, da célebre música carnavalesca de Capiba, Madeira que Cupim não Roi, virou na beira do rosarinho, versão eternizada pelo meu irmão caçula.

E assim, de boca em boca, frase em frase, jambre em jambre, a língua padrão cai em desuso mais rápido que as calças listradas. A gramática, que já toma antidepressivo há uns 130 anos, desistiu de sistematizar o certo e demonizar o errado.

Palavras corretas e seus usos apropriados são, pelo que tudo indica, pequenas burguesas patricinhas que usam bolsa Chanel.  Se na falta de roupas de marca, a gente vai à loja de departamento, o povo cria seus próprios vocábulos na falta de livros, educação e professores qualificados.

Tiremos do povo essa culpa secular. Não é dele o pecado original que transformou mortadela em mordantela, flagrante em fragrante, iogurte em iorgute. O povo poderia, inclusive, citar Fernando Pessoa e dizer  “Eu não escrevo em português, escrevo em eu mesmo”.

Já o Estado, chefe da família nacional e pai relapso, deixou a desejar quando o assunto é a educação dos seus filhos. Ficou ali, preocupado com a não divisão de bens, com mensalões e eleições. O “pobrema” de verdade é que o dinheiro dos livros foi gasto em jatos particulares e o salário dos professores vai para as bolsas Chanel das primeiras damas do Congresso, do Senado e de onde mais tiver gente com muito poder e pouco respeito ao próximo.

Enquanto isso, eu vou ali, tirar meu carro do lugar, antes que o jambre manche a pintura.

9 thoughts on “Jambre

  1. Vivian padilha disse:

    Curti mil vezes , como a “parte roubada” dessa história me enquadro na patrocinadora das bolsas “Chanéis” das primeiras damas, enquanto sofro pra sobrar din din no fim do mês pra comprar um livro na Saraiva.

  2. Lidiane Andrade disse:

    “simprismente” belo seu texto

  3. Ana Addobbati disse:

    Ô, Teta, enquanto ainda se comemorar um suposto desenvolvimento, em que TV e carro chegam antes do livro na casa das famílias das classes emergentes…

  4. Anailde Ribeiro disse:

    Essa história toda me lembrou uma livro “A língua de Eulália”, se não leu, recomendo,a obra de Marcos Bagno é bem interessante ao tratar dessa língua não-padrão que está se tornando padronizada…

  5. Dina disse:

    só p REZISTRAR: muito bom

  6. Augusto Cunha disse:

    O óleo agora é olho ( do verbo ou da vista, quem sabe ), o ” nós estamos ” agora é ” a gente está “, que mesmo não sendo errado, soa ruim. Sobre o óleo causo espanto, ocorrendo diversas vezes o interlocutor não entender o que estava falando / referindo, e, logicamente, ser alvo de chacotas.

  7. Paulo disse:

    Se é que essa batida quer mesmo salvar a todos, leiam: Preconceito Linguístico, o que é, como se faz; de Marcos Bagno.
    É baratinho e muito esclarecedor.

    http://2.bp.blogspot.com/-6zkDub0E9Y4/UUzIVB_5AmI/AAAAAAAAAAU/HTyBsaQbmX8/s1600/digitalizar1.jpg

  8. Ana Claudia Araujo disse:

    Estava passeando pela internet, quando caí no seu site. Perdi boas horas lendo os textos e rindo com as histórias. Bom, então na verdade, ganhei boas horas…
    Numa época onde todas as blogueiras do mundo parecem só gostar de moda e grife, ler textos bem escritos e o melhor, em pernambuquês, é uma delícia! Parabéns!

  9. Téta Barbosa disse:

    Ana Claudia, seja bem vinda ao Batida (Salve-se quem puder). Fico muito feliz por vc ter gostado. É só chegar, porque o blog é nosso. Beijo grande.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>